20 de jun de 2017

Tragédia: Incêndio florestal em Portugal deixa 64 mortos

Segundo a Defesa Civil, 70% do incêndio estava controlado.


Do G1 

Um contingente de mais de mil bombeiros continuava tentando controlar, nesta segunda-feira (19) à noite, o gigantesco incêndio florestal na região central de Portugal, que custou a vida de pelo menos 64 pessoas, além de deixar 135 feridos.


Após um fim de semana com temperaturas de 40º C em várias regiões do país, o clima ficou um pouco mais ameno, mas o incêndio, declarado no sábado à tarde em Pedrógão Grande, prosseguia na direção das regiões vizinhas de Castelo Branco e Coimbra.

Segundo a Defesa Civil, 70% do incêndio estava controlado, mas repórteres da AFP comprovaram que na noite de segunda-feira as chamas ainda arrasavam as colinas de Pedrógão Grande, onde o incêndio começou no sábado.

Os recursos mobilizados continuavam sendo praticamente os mesmos, com mais de 1.150 bombeiros e de 700 veículos, além de 11 aviões. "O risco de incêndio é máximo no centro", alertou a Defesa Civil.

"Portugal chora por Pedrógão Grande" ou "Em memória das vítimas" eram algumas das manchetes dos jornais. "Como isto pode ter acontecido?" - perguntava o "Jornal de Notícias". "Por quê?" - questionava o "Público".

"Nossa dor é imensa, assim como nossa solidariedade com as famílias da tragédia", declarou no domingo à noite o presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, ainda emocionado com a maior tragédia da história recente de Portugal. '

"Temos uma sensação de injustiça, pois a tragédia afetou os portugueses dos quais se fala pouco, de uma zona rural isolada", completou.

O balanço de mortos subiu para 64, além 135 feridos. Mas as autoridades não descartam a possibilidade de encontrar outras vítimas nas áreas devastadas pelas chamas.

Nas colinas situadas entre as localidades de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, que 24 horas antes das chamas estavam repletas de eucaliptos e pinheiros, a devastação era total.

'Fim do mundo'


De acordo com as autoridades, muitas vítimas morreram em seus veículos quando se viram cercadas pelas chamas no momento em que passavam pela rodovia nacional 236, que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira de Pera, no sábado.


"Era verdadeiramente um inferno. Pensei que o fim do mundo havia chegado. Não acreditei que sairia viva", contou à televisão portuguesa Maria de Fátima Nunes, que foi resgatada.

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós.

Pesquise