10 de jun de 2016

Oposição entre a barca furada, a utopia e a rejeição Coronel

Antenor Ferreira

Depois de "confirmar" suposta aliança dos principais nomes oposicionistas, com direito a pose em sofá e tudo mais, a Oposição sofre um duro golpe, ao ver a já esperada condenação de dois dos nomes que a compõem, os ex-prefeitos Magno Bacelar e Isaías Fortes, pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A lista foi divulgada ontem 09, sem causar muita surpresa, afinal de contas são bem conhecidos os perfis administrativos da dupla de ex-prefeitos, que resultaram em suas condenações. 

Deputado Levi Pontes, ex-prefeitos Danúbia Carneiro e Magno Bacelar, deputado Paulo Neto e o superintendente de articulação política  do governo do estado, Irmão Gomes, durante reunião que supostamente celebrou a união da oposição 

Magno revidou a notícia com uma nota, onde afirma que irá recorrer da decisão, buscando tirar seu nome da lista. Utopia que só não é maior que a de Isaías, caso também resolvesse recorrer da decisão do Tribunal. 

Com os dois ex-prefeitos fora do páreo, inelegíveis, a situação da Oposição, que apesar dos esforços em blogs não consegue ocultar sua fragilidade, fica ainda pior. A barca está furada e condenada a afundar. 

Ex-prefeitos Isaías Fortes e Magno Bacelar, fora da disputa eleitoral em Chapadinha 

O grupo de situação, que tem a frente a prefeita e pré-candidata a reeleição, Ducilene Belezinha (PRB), deu uma inegável virada de página, tirando o sono de quem sonha em por nas mãos as chaves do mais cobiçado gabinete do município. 

Belezinha vem mostrando equilíbrio no governo e surpreendendo opositores, com uma verdadeira onda de obras no município, além de recentes alianças e composições ao seu grupo, que apesar de serem apontadas pelos rivais, como ineficazes, estão surtindo rápido efeito, fortalecendo seu governo. 

Com isso resta a Oposição a difícil missão de superar o pior inimigo, que nasce justamente de seu "principal" aliado, o deputado estadual Levi Pontes, ou Coronel, como honrosa ou ironicamente alguns preferem se referir. 

Levi Pontes que chegou a AL puxado por sua coligação, não consegue aceitação ao seu nome, sendo um dos detentores de maior percentual de rejeição, dentre os pretensos pré-candidatos ao executivo, no pleito que se aproxima. 

A aliança que o mesmo apregoa, foi conseguida a ferro e fogo, isso por quê ninguém conseguia acordo com o deputado, que jogava por baixo, cada diálogo iniciado. Sem opção e vendo a solidez de Belezinha, restou juntar grandes, pequenos e sujos na mesma cesta, a fim de escolher qual o melhor "peixe". Se bem que nesse caso fica bem difícil apontar, qual melhor, dentre os piores. A cesta está bem podre. 

Analisando o fator "rejeição Coronel", fica difícil imaginar que a Oposição de alguma maneira venha a se dar bem nessa. Seria muita inocência do povo chapadinhense colocar no poder um grupo que tem a frente um deputado rejeitado, um deputado fantástico, o qual eu não poderia cometer o delito de não mencionar, e ainda dois intrépidos inelegíveis ex-prefeitos, fora demais pessoas que nem preciso comentar. 

Acho que o povo chapadinhense já brincou demais, quando o assunto é eleger seus representantes. Não dar pra arriscar o que está dando certo e entregar nas mãos de quem ruma apenas para uma certeza: O ATRASO

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós.

Pesquise