18 de fev de 2016

Após serem encontrados dilacerados, corpos de suspeitos de assassinato em Buriti são enterrados

Do Correio Buritiense 


Os restos mortais dois presos Sabino e Cafuringa, que foram sequestrados da delegacia de Buriti/MA, no último domingo (14), e, na tarde do dia seguinte, achado mortos, boiando, com sinais claros de tortura, em uma lagoa no povoado Pitombeira, município de Miguel Alves/PI, a 38 km de Buriti/MA, chegaram à cidade, na madrugada desta quarta-feira (17) por volta das 2h. Os corpos ficaram na Clínica (HTB). Devido o estado já degenerado, familiares fizeram um discreto e rápido enterro. Um teria sido enterrado no povoado Fazendinha e o outro, na Chapada. 

Os dois presos raptados e executados eram suspeitos de participarem diretamente do assassinato do empresário Kalleu Alan Vieira Fortes Pontes Torres, 26 anos, na madrugada da 3ª noite de carnaval, em 09 de fevereiro último.
Eles respondiam a processos por tráfico de drogas, invasão de domicílio, ameaça e dano.
Sabino Neto já tinha sido preso antes por tráfico de drogas e também por utilizar menores como “aviãozinho” na distribuição de drogas. Entre os menores, ele usava o Alex Crioulo, de 12 anos, que foi ouvido pela Justiça, e, pouco depois, misteriosamente, apareceu morto.
Além de tráfico, Ele também respondia processo por invadir a casa do senhor Jose de Sousa e por ter cortado a facão a moto e outros pertences do idoso.  Estava em liberdade desde janeiro de 2014. Era pai de duas crianças.
Leonardo Vieira Silva, vulgo “Cafuringa”, também tinha passagem por tráfico de drogas (com enorme quantidade), e era bastante conhecido entre seus comparsas por ameaçar testemunhas.  Em audiência de instrução, uma testemunha foi conduzida para delegacia por mentir em juízo e lá confessou está sendo ameaçada. A testemunha era um amigo de Cafuringa que também esteve preso com ele e que foi libertado um ano antes dele sair. Cafuringa estava em liberdade desde 2015. Era pai de uma criança.

ENTENDA O CASO:
Na madrugada do dia 9 de fevereiro, por volta de 1h, o empresário Kaleu Torres, dono do Varejão do Povo, foi morto com uma facada abaixo do peito esquerdo. (Clique aqui e relembre)
A confusão teria começado ainda no Corredor da folia de Buriti (MA) quando, segundo testemunhas, o empresário teria derrubado, acidentalmente, uma garrafa de bebida de um grupo de jovens que residiriam no bairro Bacuri. Inconformados os caras teriam iniciado um tumulto e um quebra-quebra de garrafas.
 Kalleu Torres, então, foi perseguido por vários marginais e acabou sendo atingido por um furo profundo de faca, de aproximadamente um dedo, e ainda tentava escapar quando foi derrubado em frente à Pizzaria Big Brother, no final da Praça Matriz, e agredido violentamente por parte dos que o perseguiram. A Samu foi chamada, mas ele não resistiu e morreu ainda no local. 
Dois suspeitos, Sabino Neto e Cafuringa, foram presos logo após o ocorrido por terem sido reconhecidos por testemunhas oculares. A polícia inicia investigação e ainda tem outros nomes que devem ser indiciados como coautores.

 Diante da gravidade do ocorrido, o prefeito de Buriti, Rafael Mesquita Brasil, cancelou a última noite de carnaval e divulgou uma nota de pesar à morte do empresário e justificou o cancelamento. (Clique aqui e leia a nota)
Na madrugada de 14 de fevereiro, três pessoas, uma mulher e dois homens, convenceram o carcereiro a abrir o portão de entrada da Delegacia (Depol), simulando que registrariam um boletim de ocorrência. Quando entraram, eles renderam o carcereiro e o forçaram abrir a cela onde estavam Sabino e Cafuringa. Eles os algemaram, nos pés e nas mãos, puseram em uma camionete e saíram. (Clique aqui e relembre)
No dia seguinte, 15 de fevereiro, os corpos dos dois sequestrados foram achados boiando, mortos com sinais de crueldade, com membros arrancados, em uma lagoa, no povoado Pitombeira, no município de Miguel Alves (PI), terra natal do empresário Kalleu Torres, a 38 quilômetros de Buriti/MA. (Clique aqui e relembre)

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós.

Pesquise