28 de jul de 2015

Blogueiro que ensina a estuprar desafia Polícia Federal: "Não vou parar"

Textos defendem violência como forma de disciplinar "mulheres que tenham conduta imoral"

Do R7


Um blogueiro ensina em sua página o passo a passo para estuprar uma mulher. E se alguém pensa que ele tem medo da polícia, se engana.

Foto reprodução 
Ele desafia as autoridades a cada publicação em que faz apologia à pedofilia, ao estupro de lésbicas e à violência a judeus. Na página, ele diz se considerar um injustiçado. O seguidor da "filosofia do estupro" afirma que é vítima de racismo e é discriminado por ser gordo. Ele se diz pardo, porém "branco de coração".

O blogueiro é, supostamente, morador de Várzea Grande no Mato Grosso. A Polícia Civil do Estado afirma que páginas como as dele são monitoradas e que não irá se pronunciar para não atrapalhar as investigações.



Na última publicação do blog, o blogueiro supostamente divulgou todos os seus dados pessoais, desafiando a polícia e deixando um recado: "Não adianta me encherem o saco, que eu não vou parar. Não vou parar".
Na página vários nomes são citados, no entanto, as pessoas envolvidas negam que tenham alguma coisa a ver com as publicações.

É possível encontrar, na página, o passo a passo temático de tipos de estupro: "Como estuprar mulheres em festas e baladas", "Como estuprar uma mulher na escola" e "Como estuprar mulheres em universidades".



Todo o ranço contra as mulheres é exposto em publicações que tratam o estupro como uma forma de disciplinar adolescentes e mulheres com conduta que considera "imoral". Assim, com o trauma do estupro, a conduta sexual da mulher mudaria, na visão dele.

"A única maneira de corrigir esta conduta imoral é estuprando violentamente a vadia, de maneira a traumatiza-la para o resto da vida. Quanto mais cedo você estupra a mulher, menor a probabilidade dela se contaminar com HIV como também menor a probabilidade dela se engravidar"

Na publicação, o criminoso usa a imagem de Liana Friedenbach, adolescente violentamente estuprada por dias antes de ser morta, em 2003.



O blogueiro diz que por ser gordo, preto e pobre, luta por "justiça social", por meio da criação de cotas para estupradores sem condições financeiras.

Apologia ao nazismo também é comum na página. 

Aguiar chega a dizer que só "caras ricos, brancos e americanos podem estuprar", fazendo referência a um filme que trata de sadomasoquismo. 



Em uma tentativa insana de defender a pedofilia, o blogueiro diz que "enquanto o pedófilo ama a criança, a mulher aborta e mata".

Ele chama de "censura" a caça por páginas como a dele para que sejam retiradas do ar e parem de promover a violência.


0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós.

Pesquise