11 de jun de 2015

Dunga elogia versátil Dani Alves e diz que não esperava vaias no Beira-Rio

Treinador coloca Argentina e Chile como favoritas ao título da Copa América, explica variações táticas da Seleção e fala de pontos que o Brasil pode melhorar no futuro


Por Porto Alegre

Dunga se irrita no amistoso contra Honduras (Foto: Diego Guichard)
Dunga não esperava vaias no Beira-Rio (Foto: Diego Guichard)
Mal sentou na sala de coletiva do Beira-Rio, em Porto Alegre, o técnico Dunga foi logo questionado sobre a convocação do lateral-direito Daniel Alves, do Barcelona, para a vaga de Danilo, cortado por conta de uma contusão no tornozelo direito. O comandante da seleção brasileira enumerou as qualidades do jogador, de 32 anos, e explicou por que ainda não havia chamado o atleta desde que retornou ao comando do Brasil.
- Já trabalhou conosco na outra Copa América (em 2007). É um jogador experiente, campeão da Liga dos Campeões, jogador de personalidade, versátil. Um dos pontos positivos é a dinâmica e a bola parada. Tivemos algumas oportunidades na entrada da área nessa partida e na Copa América será assim. Ter um jogador especialista nessa função é muito importante.
Dunga foi além e afirmou que a lateral direita não é posição carente no futebol brasileiro. 
- Depende do momento. Tínhamos um atleta de 24 e outro de 20. Temos que contar com o imprevisto. Temos que trazer um jogador que terá um rendimento constante, é o caso do Daniel Alves. Teremos um jovem e um jogador mais experiente.
O treinador admitiu ter ficado surpreso com as vaias dos torcedores gaúchos no fim da partida. Na opinião de Dunga, o Brasil está na reta final de preparação e a queda de produção no segundo tempo foi uma situação normal. 
- Não esperávamos porque estávamos jogando em casa, final de temporada, jogo difícil. Uma equipe que marca muito, que não deixa jogar. Futebol é de emoção, as pessoas vão pela emoção. Estava vendo um compacto curto e tivemos umas cinco ou seis chances de gol. Tivemos mais chances de gol aqui do que em São Paulo. Em jogos como esses, faltando três dias para a competição, é natural os jogadores tirarem o pé do acelerador.
Confira abaixo os principais trechos da entrevista:
INVENCIBILIDADE E DESEMPENHO IRREGULAR
Normal isso. Nosso goleiro não fez nenhuma defesa. Tivemos quatro ou cinco ocasiões de gols. Se tivéssemos feito o segundo gol em seguida, o jogo talvez tivesse sido um pouco mais aberto. Estamos trabalhando há oito meses na questão do tempo, mas não temos 100 horas de treinos apesar dos oito meses. Uma marca importante desses jogadores. Vale ressaltar que desde 69 que o Brasil não tinha uma marca como essa.

DESEMPENHO DE FRED
Estamos trabalhando com um grupo de jogadores, dando oportunidades. Fred tinha feito ótimo jogo em São Paulo e voltou a repetir a boa atuação. Todos os jogadores que estão aqui precisam estar prontos para serem escalados. 

FAVORITOS NA COPA AMÉRICA
O Chile, a Argentina e depois as outras seleções, com Brasil, Uruguai... Vem logo atrás. Chegamos num bom momento. Será uma Copa América difícil pelo aspecto de que as equipes cresceram e de os jogadores estarem em fim de temporada. O jogador atua num ritmo e, no segundo jogo, ele atua com certa dificuldades. Teremos que saber dosar essa situação durante a competição no Chile. 

ROBERTO FIRMINO
Quando cheguei na Seleção foi me pedido para observar o mundo todo e eu tinha que, de alguma forma, buscar rejuvenescer um pouco a Seleção, dando chance a alguns jogadores que são desconhecidos do público e de muitos de vocês (jornalistas). Cada um está aproveitando a sua maneira as oportunidades, não só o Firmino, mas todos os demais. 

PONTOS POSITIVOS E PONTOS A MELHORAR
Temos que aprimorar vários aspectos. É uma seleção muito competitiva, que faz muitos gols, que cria oportunidades. Temos que melhorar um pouco na hora da conclusão. Tivemos mérito do goleiro, outras vezes poderíamos caprichar mais. Quando se trata de competições importantes, você tem uma ou duas chances e precisa decidir o jogo. Vamos para a Copa América e tivemos três, quatro dias de treinos. O torcedor precisa entender isso também. 

QUEM PODE CHAMAR RESPONSABILIDADE COMO NEYMAR?
Temos o Willian, o Coutinho, o Douglas Costa... Só é preciso dar confiança e colocar o jogador para jogar. O Neymar é diferenciado e é assim lá na frente. Mas se pegarmos o Miranda, na parte defensiva, pode dividir essa responsabilidade. O Filipe Luís, que tem uma regularidade acima da média, também. 

0 comentários:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para nós.

Pesquise